Torres del Paine, o primeiro grande trekking da viagem.

By 3 de junho de 2016Chile

Um dos mais famosos destinos ao extremo sul do Chile é o Parque Nacional Torres del Paine, o parque fica perto da cidade de Puerto Natales, e faz parte da região de Magallanes e Antártida chilena. Nós tivemos a sorte, o prazer, o sacrifício e o maior orgulho de ter conhecido esse lugar único. Acreditamos que todos que já foram para este parque nacional, devem sair com sensação de superação e com o desejo de voltar para fazer mais, e mais e mais. Só de lembrar da experiência, vem aquela emoção que só lembranças como Torres del Paine deixam na gente.

Torres del Paine-1

Vamos contextualizar, Torres del Paine é uma reserva ambiental criada em 1959 e administrada pela Conaf desde 1976, órgão chileno que administra todos os parques nacionais do país. O parque recebe milhões de pessoas por ano, a sua maioria em janeiro e fevereiro, pois é o período que não neva e as temperaturas são mais amenas, além de ter uma quantidade de horas de sol maior nesses meses, chegando a 16 horas de dia claro. Torres del Paine é o parque nacional mais visitado do país.

Considerado pela UNESCO uma das reservas biosfericas do mundo, o parque possui picos que podem chegar a 3000 metros, isso significa que existem microclimas no parque, e que o clima muda muito rápido por lá. A principal atração é a cordilheira Paine, onde se destacam as Torres del Paine, consiste em três agulhas de granito, uma formação única, que contém cores distintas e contrastantes de granito que só podem ser encontrados lá. Mas além das Torres, o parque é composto de campos de gelos, lagunas, bosques, saltos de água, e uma fauna e flora impressionantes, dentre eles estão os guanacos, o huemul, espécie de cerdo que está em extinção, o condor e a maior espécie de puma do mundo.

Torres del Paine-3

Um guanaco no caminho, um de muuuuuitos

Antes de chegarmos no parque, ainda na cidade de Punta Arenas, que fica a 2 horas de carro do parque, fomos informados no guichê de informações turísticas da cidade, que neste ano de 2016, a temperatura dos meses de janeiro e fevereiro foram significativamente mais altas que dos outros anos, e que as visitações ao parque estavam acima do esperado, e por isso os campings gratuitos da Conaf (que são em meios das trilhas, alguns no meio da montanha) estavam controlando a lotação com reservas. Isso necessitou de uma organização maior nossa, pois pretendíamos ver nossa disposição diária e pretendíamos fazer o famoso circuíto W, uma trilha em forma de W, que passa por alguns pontos e miradores em um trekking de três noites e quatro dias, porém não havia mais vagas em alguns campings e tivemos que reorganizar nossos planos.

É possível chegar ao parque de ônibus, existem ônibus que saem de Punta Arenas e de Puerto Natales, estes vão te deixar na portaria do parque. Dentro do parque existem vans que fazem os trajetos internos, estas vans são dos hotéis e refúgios, para os hospedes, saem de graça, mas para quem não é hospede os preços ficam em 5.000 Pesos Chilenos por trajeto. Também é possível fazer uma excursão com agências de viagens de um dia no parque Tour Full Day, onde se visitam  de ônibus as áreas que se tem acesso por caminhos internos. Outra opção são os grupos de trekking que saem com um guia e fazem normalmente a trilha para a Las Torres, porém o caminho é bem sinalizado e fácil de ser feito por conta.

Mapa-Torres-del-Paine-Fantastico-Sur-refugios-circuito-W-circuit-2013

Nosso primeiro trekking da viajem foi difícil, mas incrível. Chegamos no parque no meio da tarde, com nosso carro. A entrada custa 18.000 Pesos Chilenos por pessoa para estrangeiros e dá direito a ficar quanto tempo quiser dentro do parque, porém se preferir pode entrar e sair em de três dias corridos. Existem 3 entradas no parque, e todos as pessoas são registrados na entrada, vimos um vídeo de apresentação do parque, dos cuidados que se devem ter ao ingressar e ganhamos um mapa com a indicação de todas as trilhas, hospedagens, restaurantes e guarda parques, este guia é muito útil, pois tem os tempos das trilhas e distâncias, e é necessário estar sempre junto com ele, pois o mesmo pode ser solicitado nos pontos de controle, para o parque saber por onde você passou e para saber que você não é um intruso.

Dentro do parque existem os acampamentos gratuitos da Conaf que são no meio das trilhas e com melhor localização para os caminhantes, porém para chegar a eles são algumas horas de caminhada. Esses acampamentos possuem estrutura de banheiros simples e local para usar fogareiro portátil para cozinhar. Existem também acampamentos pagos, que saem de 10.000 a 15.000 Pesos por pessoa, alguns estão no em meio as trilhas e outros no início, estes possuem água quente para banho e local para utilizar fogareiros portáteis, ainda existem as opções dos refúgios, que são hospedagens relativamente simples, com banho quente, mas que saem em torno de 25.000 Pesos por pessoa, e tudo é pago, cobertas, café da manhã, toalhas, pode custar 15.000 Pesos a mais. Os hotéis, que ficam somente nos inícios das trilhas e no caminho de carro, são caríssimos, alguns indicam os valores em dólares. Estes contam com uma estrutura de luxo e os hotéis é a única opção de hospedagem com internet.

As estradas dentro do parque são de terra, e não são as melhores, então andamos devagar, bom para apreciar as paisagens que são de tirar o folego. Fomos de carro até o acampamento Las Torres, onde existem dois campings pagos, um estacionamento, um hotel com restaurante e um pequeno quiosque. Somente o restaurante e o quiosque tem internet e é paga, sim aluguem de Wi-fi. Vale salientar que o parque não tem sinal de telefone, e nem sinal de 3G, então, quem precisa muito mesmo de internet ou telefone, vai precisar pagar um pouco caro por esta necessidade.

Torres del Paine-2

Nossos planos eram de subir a trilha no primeiro dia para chegar no acampamento Torres, o acampamento da Conaf no meio a trilha em direção a Laguna de Las Torres, pois já tínhamos reservado uma noite neste acampamento em Punta Arenas, o problema foi que nos atrasamos muito, e estávamos pronto para começar a trilha somente as 18:00 e não chegaríamos a tempo ao acampamento de dia, e é extremamente perigoso e não recomendável fazer nenhuma trilha no escuro. Então, decidimos não subir e dormir no carro na nossa primeira noite no parque. Digamos que não foi a noite mais confortável do mundo, nos enrolamos nos sacos de dormir relativamente cedo, para começar o dia seguinte também cedo.

Vale lembrar que é extremamente proibido fazer fogo no parque, as penas são de expulsão do parque, até expulsão do país, mais multa de 10 mil dólares, não é pouca coisa. Isso porque no ano de 2011 – 2012, um homem que estava acampado e pescando em um ponto proibido do parque, fez fogo a noite para se aquecer, e o fogo se alastrou, durou mais de dois meses e destruiu mais de 30% do parque. Até hoje é possível ver o local que o fogo passou, pois por ser uma região de temperaturas extremas e com pouca umidade, a vegetação leva muito anos para se recompor. A única forma de cozinhar no parque é em local e com equipamento apropriado, fogareiros de gás portateis próprias para camping.

Torres del Painr-11

Ainda se pode ver as marcas do incêndio de 2011

Torres del Painr-14

Raposa descansando e nos observando passar

Acordamos com o sol, e começamos a nos organizar para sair, o primeiro lugar que fomos foi ao Lago Grey, para chegar ao mirador do Glacial Grey. Estacionamos o carro junto ao guarda parque e começamos a caminhar, a trilha leva cerca de uma hora até chegar ao mirador. Venta muito no parque, e do mirador pudemos observar pequenos icebergs no lago e o glacial ao fundo, o glacial é muito grande, tem 6km de extensão e é possível fazer um passeio de barco que chega bem perto. Também é possível fazer trekking no glacial.

Torres del Paine-5

Caminho para o Mirador Gray

Torres del Paine-6

Imponente Glacial Gray

Depois do Lago Grey, seguimos para Salto Grande, um salto de águas cristalinas que tem um força impressionante. De lá caminhamos cerca de uma hora até o mirador cuernos, de onde pudemos observar os Cuernos del Paine, uma formação que parecem dois cornos. Dalí, seguimos até o acampamento Las Torres e começamos a organizar nossas mochilas, pois o objetivo foi subir a trilha até a Laguna de Los Três, uma laguna que fica aos pés das três agulhas de mármore, as torres mais famosas do parque, mas para isso, precisaríamos dormir a segunda noite do parque na montanha. Organizamos as mochilas com barraca, sacos de dormir polares (as temperaturas a noite são perto do 0 graus no verão) comidinhas, como frutas secas, castanhas, bolachinhas, doces, enlatados, um pouco de água, alguns band-aids, relaxantes musculares, lembrando que tudo que subir e não for usado, é peso carregado por nada, então, um bom planejamento é importante. Há, não precisa levar muita água não, a água dos córregos do parque é de degelo, potável e muito boa.

Torres del Paine-8

Hotel no meio do lago Pehoé, nem nos atrevemos a perguntar os preços, hehe

Torres del Paine-10

Vista do carro de Salto Grande

Torres del Paine-9

Deixamos o carro no estacionamento junto com muitos outros e começamos subir a montanha. Depois de quase 45 min caminhando, encontramos um casal que estava voltando da trilha e nos contou que haviam acabado de ver um puma atravessando a trilha. Continuamos com cuidado e eis que o bichano resolve cruzar a trilha novamente desta vez na nossa frente. O puma passou relativamente perto de nós, nos olhou, e seguiu seu caminho mato adentro. Bom, foi uma experiência única, sabíamos que poderia acontecer, mas é muito raro um puma passar perto das trilhas em plena luz do dia. (Eu, Letícia fiquei apavorada e imóvel) Depois do encontro, continuamos a trilha. Duas horas de subida e chegamos ao Acampamento Chileno, um acampamento pago, que estava lotado. Ali também tem um hostel e uma vendinha superfaturada. Paramos para recarregar nossa água, comprar um chocolate, que impressionantemente ajuda muito, e parar um pouco para descansar.

Torres del Paine-21

Início da subida as torres

Torres del Paine-4

É raro, mas tivemos a sorte de avistar um puma na natureza

Torres del Paine-20

Piadoca para descontrair a arda subida

Depois de um breve descanso, seguimos para o nosso acampamento, foram mais 1 hora e meia subindo e chegamos ao acampamento Torres da Conaf. Não tínhamos reserva para este dia e estávamos preocupados, porém o guarda parque que nos recebeu, foi incrível. Ele não cobrou nenhum tipo de reserva, nos registramos, e ele nos indicou os melhores lugares ainda disponíveis para acampar e nos ofereceu cobertas caso precisássemos. O acampamento tem banheiros e um espaço coberto com bancadas para quem quiser cozinhar. Existem algumas regras do parque, a primeira é que não existem lixeiros, e cada um é responsável pelo seu lixo, então todo o lixo que você gerar, você precisa descartar quando sair do parque. Outra regra é deixar as barracas bem fechadas, existe uma espécie de ratinho, habitantes da montanha. Existem também raposas que vão atrás de sobras das comidas. É importante interferir o menos possível na flora e fauna do lugar, e as pessoas que fazem esse tipo de turismo respeitam muito todas as regras.

Chegamos super cansados, armamos nosso barraca, preparamos algo para comer, conversamos um pouco com a galera e logo fomos dormir, porque no dia seguinte, tínhamos planos que começavam cedo. Haviam nos indicado subir a Laguna de Los Tres para ver o nascer do sol, e que para isso, precisaríamos sair do acampamento no máximo as 5 horas da manhã, pois leva 1 hora para chegar as torres. Quando o despertador tocou as 4:30, muito frio e completamente escuro, a vontade de sair da barraca era zero. Mas conforme foram surgindo as lanternas e a galera subindo, tomamos coragem, nos enchemos de casacos e saímos. Por cerca de 50 minutos caminhamos em total breu, salvo as lanternas das pessoas.O caminho é muito íngreme, com muitos pedregulhos, venta muito e é muito frio. Mas chegamos lá. É simplesmente mágico, não tem uma palavra que possa expressar tudo o que se sente naquele lugar. Acho que ficamos umas 2 horas lá, e depois começamos a descer.

Torres del Paine-16

Amanhecer na Laguna de Las Tres, com os 3 picos ao fundo

Torres del Paine-17

Descemos até o acampamento, desmontamos a barraca e organizamos as mochilas para descer até onde o carro estava estacionando. Levamos cerca de 4:30 horas para descer tudo. A descida é mais fácil, mas é preciso descer com cuidado pois tem alguns lugares que se pode resvalar com bastante facilidade. O que podemos dizer é que não é um passeio para qualquer um, não é um tipo de turismo que todos gostam e sabem aproveitar, é preciso um preparo mental maior que físico, e é importante saber que não existem luxos, não tem banheiro no meio do caminho e o banho nos acampamentos gratuitos, quando tem, não vai ser quente. Mas se você quiser chegar lá, esta é a única forma, e vale a pena.

Saímos do parque cansados, mas extremamente satisfeitos com tudo. E com a promessa de que voltaremos, um pouco mais preparados, para fazer a trilha W e a trilha O que juntas levam em torno de 10 dias.

Torres del Paine-18

Raiz de árvore onde os visitantes colocam pedras para marcar a sua passagem, deixamos as nossas

Torres del Painr-19

E depois… hora de tomar o rumo

roadsweethome

Author roadsweethome

More posts by roadsweethome

Join the discussion One Comment

Leave a Reply